domingo, 21 de maio de 2017

UM PAÍS DOS CONSTRANGIMENTOS. A gravação, o PT, Aécio e Temer



[Pelo que soube, pelo menos, antes de fechar as portas da aeronave, não mandou uma banana para todos nós. Talvez mentalmente]

Empresários que por décadas vivem na semi-marginalidade, notórios corruptores, talvez os maiores corruptores que já atuaram no Brasil – provavelmente superam a Odebrecht -, responsáveis por obtenções e facilidades de toda ordem perante políticos e autoridades, reconhecendo o risco de prisão porque havia a ameaçá-los a Operação Lava-Jato, resolvem se resguardar.

E, nesse passo, se apresentam à Procuradoria Geral da República e iniciam um processo de delação premiada. Munem-se de um gravador e saem pelos gabinetes oficiais forçando, com um diálogo espúrio, a confissão mesmo que indireta dos incautos habituados com sua presença e suas propinas em larga escala.

Na gravação dos marginais da JBS há duas situações distintas, uma surpresa e postura imperdoável de condescendência e tolerância:

A surpresa: Aécio Neves, que descarou-se com a impertinência de pedidos de propinas, desta vez de R$2 milhões que, recheado de impropérios de habituais de botequins obscuros, pelo que, tudo indica, acabará com a sua carreira política. Nas eleições presidenciais causara espécie já não vencer no seu próprio estado, apesar da propaganda que fizera de realizações por lá. 
Um sintoma pouco considerado.

Que perca o mandado de senador e que volte para Minas (ou Rio) porque se revelara nesses episódios deprimentes, desavergonhados. E que responda criminalmente na Justiça pela prática de corrupção passiva, seja no STF, seja na Justiça Comum, de preferência, na iminência da perda do mandato;

A condescendência: Michel Temer, que recebeu na calada da noite, um desses marginais em cuja gravação se constata uma “conversa mole” inacreditável, que o presidente ia engolindo como moço ingênuo, mas na testa do empresário corruptor, estava escrito que poderia haver algo mais do que queixas e insinuações contra o seu novel governo.

E Temer caiu na arapuca. Deu corda e disse o que não precisava ou o que não deveria, ainda que fosse nada mais do que tolerância à presença do falastrão.

A crise se instalou e nem poderia ser diferente pelos ânimos exaltados e pelo relativo sucesso que vinha seu governo alcançando, de modo gradual, humilhando sua antecessora impedida e o seu partido.  

Bem, o país hoje está assim, Temer será certamente investigado – a gravação deverá ser confirmada -, há notícias de pedidos de impeachment (OAB), eleições indiretas, ameaças de que o país pode entrar em novo período de paralisação e de embates políticos severos.

Agora a indefinição volta a reinar e nesse quadro, a presença do PT e de Lula cujas acusações são sempre mentirosas contra ele ou ao seu partido...verdades só as acusações aos adversários. Constitui-se, pois, num grupo desmoralizado que iniciou esse vício jamais vista de corrupção. Mas, mesmo assim, retrógrados, estão ávidos para retornar ao passado que se pensava constituir-se num episódio triste da historia.

E os brasileiros desempregados aos milhares? Certamente que a fila aumentará. Ora, os brasileiros...

Os empresários marginais, corruptores de quase dois mil políticos, de quase todos os partidos foram recebidos pelo ministro Fachin no STF, para homologar a delação, saem numa boa, há informações seguras de que venderam ações estáveis da empresa na véspera da divulgação da gravação sabendo que elas cairiam no mercado no dia seguinte e compraram milhões de dólares na baixa, para negociar a moeda na alta.

E com todos os seus privilégios obtidos com a delação, com a aquiescência e aplausos da PGR e do STF, nada de prisão, deixam esses marginais o país constrangido e sem saber qual será o rumo político-econômico nos próximos dias pelos efeitos do escândalo, embarcam num avião luxuoso da empresa que comandam e por ela corrompem, viajam aos Estados Unidos com toda a família, levando todos os lucros das falcatruas que praticaram e oficialmente toleradas.

Esses são os brasileiros da empresa de boi, os heróis das instituições.



Pelo que soube, pelo menos, antes de fechar as portas da aeronave, não mandou uma banana para todos nós. Talvez mentalmente.

Constrangimentos e dor moral pelo atual estágio de degradação política e institucional.


País triste, infeliz.

sábado, 29 de abril de 2017

"GREVE GERAL": QUEIMADORES DE PNEUS E PIQUETES


Na década de 70 e 80 eu trabalhava no ABC, na indústria automobilística.

Greve geral na acepção do termo, naquela região, fora a de 1980.

E por quê? Porque houve uma “ordem” das lideranças sindicais e, no dia determinado, os trabalhadores em massa não compareceram ao trabalho, fábricas desertas, sem piquetes, sem violência e sem queima de pneus em ruas e estradas.

Sobre ela houve até o registro de uma passagem interessante que converti em crônica, “Sermão da Montanha”. A uma convocação escrita da empresa para que voltassem os grevistas ao trabalho dois operários leais à empresa, um dia chegaram à portaria, tensos, e me passaram um digno sermão explanando sobre os motivos de não voltarem aos seus postos, porque trairiam companheiros na mesma situação na favela em que viviam!(1)

Eu tive a oportunidade de conviver com essa greve que perdurou por 41 dias. E outras antes e depois.

Sim, em outras daqueles tempos houve o piquete mas não com as agressões que se veem hoje, nesses movimentos insanos ditos “gerais” que a todo custo e a qualquer preço impedem o direito de ir e vir de pessoas, bloqueando transportes e vias e a tensão se eleva porque não há liderança responsável por tais atos que, bom que se diga, se escondem por trás do vandalismo, dos quebra-quebras dos black bloc  para depois enaltecerem o resultado do movimento como se marcassem território com esses ataques incluindo a poluição grave, como se dá com a queima de pneus.

Esse movimento do dia 28 de abril, para emendar o feriadão do 1º de maio – claro que nesse dia tudo será festa – poderia até ter algum sentido como por exemplo a discussão da idade para a aposentadoria que é uma questão realmente controvertida.

Mas, partem para a agressão, a destruição de bens públicos e privados, sequer sabem ao certo porque assim agem, pelo que, por fim, sobram os detritos da poluição mental e a da fumaça negra.

O que isso mudará?

Penso que nada.

Aliás, na questão previdenciária, se há rombo ou não – não tenho elementos para entrar no mérito nestes dias – mas há uns 18, 20 anos passados, quando trabalhava diretamente com ela, enfrentando filas nas madrugadas do INSS, pela facilidade da classificação do trabalho insalubre, houve segurados que se aposentaram com 47, 49 anos.

Agora a conta está ai. Tudo eram concessões excessivas, paternalistas. Agora, há que pagar a conta.

[Lula num discurso com rara seriedade, há algum tempo se manifestou sobre a necessidade de revisão da previdência pelo aumento da expectativa de vida do brasileiro, fazendo inclusive menção á Lei Eloi Chaves de 1923.]

No tocante à terceirização, trata-se de mudança que muitos falam e poucos entendem. Hoje ela já existe para as atividades não produtivas, indiretas (vigilância, limpeza) da empresa. 

Com a nova lei, se aprovada, ela se estenderá também às áreas de produção mas com garantia do mesmo salário e todos os direitos ao trabalhador assim contratado.

Por sua vez a empresa contratante sempre conviverá com o risco de a empresa terceirizada não cumprir suas obrigações trabalhistas, sendo acionada na Justiça do Trabalho a assumir todos os encargos que aquela não cumpriu.

E tal quadro é muito mais frequente do que se pode pensar.

[Para registrar, a ex-presidente Dilma não faz muito também defendeu essa mudança na terceirização.]

No tocante à prevalência das Convenções e Contratos Coletivos, tal se dá em todo o mundo em que haja a liberdade sindical e não só no denominado 1º mundo, mas também na própria América Latina (México, Colômbia, Argentina).

Por fim, a questão do imposto sindical, uma garantia de sobrevivência da maior parte do pelequismo no Brasil. (2)

Quando me aprofundei um pouco na história do sindicalismo, de 1958 li uma notícia  na qual já era defendida a sua extinção.

Estamos já no AD de 2017...

Por fim, algo que me incomoda demais e que realmente é o “calcanhar de aquiles” do Brasil: excesso de senadores, excesso de deputados com imensas garantias salariais e pessoais um acinte ao povo brasileiro que trabalha além de delapidar demais o orçamento nacional. A par de, entre eles,  agentes desavergonhados em promover a corrupção

E esse tema tão grave – carente de revisão - não é sequer cogitado como um movimento a ser levado a sério.
Por fim, não classifico o movimento de 28 último como “greve geral”. Ora, como greve geral, com violência para que o movimentos tivesse alguma expressão, incluindo a repugnante  queima de pneus?

Andamos na ilusão. A mira é equivocada e possivelmente assim se dá porque esses líderes de centrais têm lá os seus interesses na garantia do “status quo”, das mordomias, das mamatas.


Referências:

(1)Acessar:
http://martinsmilton.blogspot.com.br/search?q=serm%C3%A3o+da+montanha


(2)Segundo do Dicionário Aurélio, o termo “pelego”, entre outros significados, possui os seguintes: “Bras. Essa pele(de carneiro), usada nos arreios à maneira de xairel” (xairel, “cobertura de besta feita de tecido ou de couro, sobre o qual se põe a sela”), ou ainda: “Bras. Deprec. Designação comum aos agentes mais ou menos disfarçados do Ministério do Trabalho nos sindicatos operários”, finalmente: “Bras. fig. Pessoa subserviente, capacho”.

terça-feira, 4 de abril de 2017

RELATÓRIO DE AÇÕES ECOLÓGICAS EM PIRACICABA E EM ÁGUAS DE SÃO PEDRO



Piracicaba: Área verde formada no braço

Há alguns anos, aqui perto havia uma área verde de um 500 m2 que servia de depósito de entulho.
Um dia resolvi agir para mudar essa situação. Afinal, área verde é para ser verde.
Depois de muita pressão feita na Prefeitura eis que num domingo um trator veio espalhar o entulho dando condições de recuperar a área.
Num dia de chuva forte, terra molhada e leve, de próprio braço, plantei todas as mudas que se vê na área, excluindo essa imensa tipuana da frente. Um vizinho, mais tarde, plantou mudas de pitanga, fechando um pouco além da conta o verde.
As mudas cresceram muito além do esperado.



Ainda há quem ali jogue entulho, material de construção e restos de poda.
Fazer o quê. É a civilização do menor esforço que polui tudo.

Águas de São Pedro – Inspiração para plantio de dezenas de ipês variados (?)

Em junho numa rede social de amigos moradores de Águas e depois em julho de 2016 num jornalzinho político que parou de circular logo depois das eleições, escrevi o seguinte:

“A cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul, além de suas belezas naturais conta com diversas atrações turísticas.
Mas, além desses atrativos, atentem-se para estes aspectos fundamentais, notícia de 2009, que não perdeu a atualidade:
“Gramado está rodeada de flores que dão nome à região: hortênsias. Somente em 2009, a prefeitura, através da Secretaria de Meio Ambiente, realizou o plantio de 100 mil mudas. 

A hortênsia é considerada uma das características que motivaram o desenvolvimento do turismo em Gramado.“

Sim, um dos pontos fortes de Gramado, são as hortênsias, que se dão bem no clima e não há turista que não as fotografe. E até com família toda.

Se nessa perspectiva, formos pensar em Águas de São Pedro, sim, a cidade também tem atrativos turísticos, mesmo que menos impactantes que Gramado.
Para não me estender mais: na área verde mal aproveitada que beira a avenida (rua) Ângelo Nogueira Vila (Parque das Águas) sugiro que por ali deveriam ser plantadas dezenas ou quantas possíveis, mudas de ipês-amarelos e brancos dando um impacto positivo para quem chega à cidade quando da floração. E onde mais possível. Claro que sem a beleza das hortênsias, mas um começo para mudar pela revisão ambiental o panorama de Águas que está ficando para trás no apelo turístico em relação a outras cidades. Parou no tempo.”

Essa foi a sugestão que fiz e que contou com o apoio de todos os amigos do grupo “União dos moradores de Águas”.

Pois bem, em providências coordenadas pelo Ministério Público de Piracicaba – em sede do GAEMA – Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente, fora a SABESP intimada a firmar um TAC – Termo de Ajuste de Conduta para compensar os danos ambientais que praticara por causa das medidas que tomara para regularizar o tratamento de esgoto.
Num termo de compromisso houve a seguinte alteração:  

“CONSIDERANDO a solicitação encaminhada pelo Município de Águas de São Pedro para alterar a redação da cláusula 5.1.3.5, para fins de constar que o plantio das 400 mudas de ipês, de cores sortidas, conforme projeto inicial, seja transferido do Bosque Municipal para o Parque das Águas, localizado logo após o Portal da Cidade, mantendo-se o plantio das árvores frutíferas no Bosque Municipal...”



Sinto-me muito feliz porque é possível que minha sugestão teria inspirado o plantio dos 400 ipês “de cores sortidas” no denominado no Parque das Águas, do lado esquerdo da pista de quem ultrapassa o portal chegando à cidade.
Foram plantadas dezenas de ipês com o compromisso atribuído à SABESP como parte do TAC de cuidar das mudas e substituição às que não vingarem, por três anos.
(Espero que as fotos deem ideia do plantio já concluído dos ipês)

[Não pensar que Águas de São Pedro é um paraíso; há sérios problemas administrativos provocados por “autoridades” omissas ou despreparadas – não sabem, por ignorância o significado de Águas no país. Usam viseiras]

“Ecologista emocionado”

Quanto já escrevi nestes últimos oito anos de blog sobre assuntos ambientais!
Em alguns casos à emoção como a devastação permanente que se dá na Amazônia.
Não me acanho em revelar que saio por aí, plantando mudas e regando as que já plantei.
Todas essas manifestações estão “perdidas” nos meus blogs, mas lá estão. Não poucas vezes, elas são lembradas por acionadores do Google.
Grileiros e criminosos que fazem da mata virgem escampados desérticos ou pastos praticamente estéreis.
Mas, hoje minha emoção tem um sentido de bonança, por preciosidades da natureza que parecem insignificantes, mas que para mim, não são.

Vou recordar algumas mas há muito mais:

SOU A (XA) CHANANA













Sou semeada pelo vento
Floresço em espaços pequenos
Nas frestas das calçadas e guias
Nos terrenos baldios e mal cuidados
De repente, estou em todos os cantos
Minhas flores atraem abelhas
Minhas folhas têm propriedades medicinais
Sob o sol, sob a chuva
Protejam-me, cuidem de minha fragilidade
Sou a (xa) chanana, a flor-guarujá, tantos nomes.
Sou a bela, sou a humildade.

DOS MEUS ENCANTOS SILVESTRES
(Registros de um “ecologista” enlouquecido)


Num muro rústico que faz divisa com uma viela, não de hoje percebo uma trepadeirinha que não vinga, ora porque não se firma no muro, ora porque é arrancada não sei por quem.
Daí, ela procurou um lugar nessa coisa estranha de “semeação espontânea” e florescera no canteiro que é cuidado e com a certeza de que seria cuidada.
[Esse “fenômeno” já se deu com a chanana *]
Deixei prosperar para ver se sairia alguma flor daquela trepadeira tênue.
Eis que, num sábado destes, para minha surpresa, espocaram florezinhas de azul suave, ipomeias.
Há a “irmã” de azul mais escuro (mais para roxo) que enfeita áreas de mato ralo, sobrevivendo a todo tipo de agruras e climas.


Mas, as ipomeias do canteiro são diferentes, delicadas, muito bem vindas, surpresa agradabilíssima.


 E também:

ÁRVORES, O QUANTO QUERO
De 21.10.2012

Tenho feito com as limitações conhecidas, campanhas para o maior aproveitamento 

da arbustiva hibisco (mimo).





Tem a vantagem de não crescer muito, produzir flores 

grandes, multicores dando aquele tom de 

leveza desestressante nestes tempos cinzentos.

Essa planta poderia ser adotada em espaços mais largos entre pistas nas entradas do estado pela mesma razão.

Mas, vá alguém assumir a ideia em meio a essa indiferença e mesmo mentalidade embotada e monocromática “das autoridades competentes”. 

Não saem do lugar comum, nem por decreto.


RESENHA AMBIENTAL
Artigo que explana sobre diversos aspectos da degradação ambiental. De 21.11.2010, neste blog

Acessar: http://martinsmilton2.blogspot.com.br/2010/11/resenha-ambiental.html?spref=fb








A manhã começara mal-humorada

Não bastara o café adocicado

Algo no jornal me deprimira

Uma notícia cruel e malvada.

Mas, ai um bem-te-vi

Na janela me avisou que me vira

Eu também te vi vigilante passarinho.

Encontro seus olhinhos entre as tiras da cortina.

Creio que há algum ninho nos vãos de ar condicionado, por ali.

A vida ainda se renova, bem vi.

Até quando, meu peitinho amarelinho estridente, até quando?

domingo, 19 de fevereiro de 2017

PREMIAÇÃO LITERÁRIA NUM ESPETÁCULO RIDÍCULO


O escritor Raduam Nassar recebeu o Prêmio Camões de Literatura 
de € 100 mil valor dividido entre os governos do Brasil e de Portugal.
O escritor não seguiu a linha de enaltecer a literatura, seu livro e os escritores, mas partiu para o ataque naquela ladainha de “governo golpista” e também “lembrando” que o STF nada fizera para impedir o impedimento da presidenta.

E foi por ai. 

Tão inconvicto que dissera, numa noite de insônia,  ter mudado o seu discurso por três vezes como disse ao jornal “O Estado”:
"Passei a noite em claro, revisando o discurso. Eu o mudei ao menos três vezes", disse Raduan ao Estado, que criticou a nomeação de Alexandre de Moraes para o STF, a prisão recente de Guilherme Boulos e a diplomacia de Temer.”
Pelos deuses, o que esperava essa gente de mais desastroso na continuidade do “governo Dilma”? O que esperava essa gente? 
[Foi até bom para o petismo: da defensiva "insuportável" defendendo seus  governos repletos de denúncias e equívocos passou à "defensiva" com o "canto do golpe"]. 
E no debate com o ministro da cultura, Roberto Freire, que respondeu à críticas e vaiado pela claque petista do escritor, surgiu o extremo do ridículo: Raduan recebeu direitinho o dinheirinho parte do governo brasileiro, cuspiu no prato com a maior cara de pau e saiu numa boa com o chequinho gordo.



Se tivesse convicção pelo discurso que fez – mas tudo indica que não tinha - haveria que ter rejeitado a parte do dinheiro do governo brasileiro, destinando o valor a alguma biblioteca desaparelhada ou escola semiabandonada que vem desde os tempos do lulopetismo.
Que coisa mais lamentavelmente ridícula.
Eu xingo mas fico com a “esmola gorda” que recebi de quem xinguei.
Putz. Lições de careta de pau acima do limite ponderável.